Andrade pagou despesa da campanha de 2010 de Dilma, dizem delatores

Executivos da construtora Andrade Gutierrez relataram em depoimentos resultantes de acordo de delação premiada que a empreiteira pagou por fora despesas com fornecedores da campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2010.

Os delatores foram ouvidos pela Procuradoria Geral da República (PGR) porque mencionaram políticos com foro privilegiado em suas delações.

Segundo a TV Globo apurou, além de revelarem o pagamento ilegal das despesas, o executivo Flávio Barra e o presidente afastado da Andrade Gutierrez Otávio de Azevedo revelaram aos procuradores que a empreiteira simulou contratos com a agência de comunicação Pepper, que atuou na primeira campanha de Dilma ao Palácio do Planalto.

O coordenador financeiro da campanha de Dilma em 2010, José De Filippi Jr., disse que os serviços prestados pela Pepper à campanha “foram regularmente contabilizados nas prestações de contas aprovadas pelo TSE” (leia mais abaixo outras informações sobre a versão da campanha).

Flávio Barra e Otávio de Azevedo chegaram a ser presos pela Lava Jato, mas passaram a cumprir regime domiciliar depois que fecharam os acordos de delação premiada com o Ministério Público.

De acordo com os delatores, o valor do pagamento com caixa 2 chegou a R$ 6 milhões. Em 2010, a campanha de Dilma registrou em sua prestação de contas que havia recebido R$ 5,1 milhões da Andrade Gutierrez.

Ainda segundo eles, as dívidas de campanha foram quitadas pela construtora a pedido do atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), que em 2010 foi um dos coordenadores da pré-campanha presidencial de Dilma. No primeiro mandato da petista, ele comandou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Como os relatos dos executivos da Andrade Gutierrez se referem a fatos ocorridos na campanha de 2010, não há risco de Dilma perder o mandato caso as acusações sejam confirmadas porque o mandato em questão se encerrou em 2014.

Em novembro do ano passado, a Andrade Gutierrez fechou um acordo de leniência com a Procuradoria Geral da República no qual se comprometeu a pagar uma multa de R$ 1 bilhão e auxiliar nas investigações do esquema de corrupção que atuava na Petrobras em troca de benefícios, como redução de pena.

Versões dos mencionados nas delações
O coordenador financeiro da campanha presidencial de Dilma em 2010, José De Filippi Jr., disse por meio de nota que os serviços prestados pela empresa Pepper “foram regularmente contabilizados nas prestações de contas aprovadas pelo TSE”. Segundo ele, os valores pagos à empresa somaram R$ 6,4 milhões.

“O vazamento truncado e seletivo de informações atribuídas à delações premiadas submetidas a sigilo legal, independentemente de quem pratica, é ato ilícito e exige apuração imediata por parte das autoridades responsáveis”, diz o texto da nota.

Por meio de sua assessoria, a Presidência da República informou que não comenta assuntos relativos a campanhas eleitorais.

A assessoria de imprensa do governo de Minas Gerais informou que Pimentel não vai se pronunciar sobre o assunto.

Procuradas pelo G1, a assessoria do PT e a Pepper também afirmaram que não iriam comentar a denúncia.

Operação Acrônimo
Os investigadores da Lava Jato identificaram os pagamentos da Andrade Gutierrez à agência de comunicação Pepper ao apurarem outro esquema de corrupção que envolve o governador de Minas Gerais.

Na Operação Acrônimo, a Polícia Federal apura um suposto esquema de lavagem de dinheiro por meio de sobrepreço e inexecução de contratos com o governo federal. Há suspeita de que os recursos desviados alimentavam campanhas eleitorais, entre as quais a do governador mineiro.

Em maio de 2015, quando deu início à Operação Acrônimo, a PF buscava a origem de mais de R$ 110 mil encontrados em um avião no aeroporto de Brasília em outubro de 2014. A aeronave transportava Benedito de Oliveira Neto, conhecido como Bené, dono de uma gráfica que prestou serviço para a campanha de Pimentel ao governo mineiro e apontado pela PF como operador do governador.

Bené foi preso, mas liberado após pagar fiança. Também na 1ª fase da Acrônimo, a PF fez buscas no apartamento da mulher de Pimentel, a jornalista Carolina de Oliveira, em Brasília. Na época, o governador classificou a ação como um “equívoco”.

Fonte:http://g1.globo.com/

Share This: