Audi A3 Sedan 1.4 flex: primeiras impressões

A Audi divulgou nesta quinta-feira (12) os detalhes do A3 Sedan, que começou a ser produzido em São José dos Pinhais (PR). O preço se manteve no limite do patamar de R$ 100 mil, com versões 1.4 flex a partir de R$ 99.990, mas obrigou o modelo a mudar seu “coração” alemão para se tornar brasileiro.

Veja os preços e versões:

Attraction 1.4 flex – R$ 99.990
Itens de série: ar-condicionado, direção eletromecânica, faróis bixenônio com ajuste automático de altura e limpadores, lanternas de LEDs, sensor de estacionamento traseiro, bancos dianteiros com ajuste de altura, sistema start-stop rádio MMI com alto-falantes, computador de bordo e Bluetooth, freio de estacionamento eletrônico e rodas de alumínio de 16 polegadas.

Ambiente 1.4 flex – R$ 109.990
Itens de série: acrescente ao pacote do Attraction sensores de luz e chuva, volante multifuncional com aletas para trocas de marchas (shift paddles) e rodas de 17 polegadas.

Opcionais:
– Rádio MMI plus com sistema de navegação sistema de navegação (R$ 13 mil);
– Pacote Design: bancos de couro sintético e teto solar panorâmico (R$ 10 mil);
– Pacote Assistance: controle de velocidade de cruzeiro (piloto automático) e sensores de estacionamento dianteiro e traseiro com câmera de ré (R$ 10 mil);
– Pacote Assistance Plus: assistente para mudança de faixa, assistente para luz alta, sistema de estacionamento automático, controle de velocidade de cruzeiro adaptativo, computador de bordo com tela colorida e sistema que permite destravar o carro e ligar o motor sem necessidade de utilizar a chave (R$ 18 mil).

Diferenças
A primeira delas é o inédito motor turbo bicombustível, que agora rende 150 cavalos de potência, contra 122 cv do modelo importado, que aceitava apenas gasolina. A calibração para o combustível renovável também elevou o torque, de 20,4 para 25,5 kgfm, já a 1.500 rpm.

O sedã ficou mais rápido, com aceleração de zero a 100 km/h em 8,8 segundos, enquanto o importado fazia a mesma marca em 9,4 segundos. No entanto, a sensação de dirigir não é mais esportiva.

sto ocorre porque a transmissão automatizada S-tronic, com dupla embreagem e 7 velocidades, foi substituída pela automática Tiptronic, com conversor de torque e 6 marchas.

Além disso, o modelo mais vendido da marca no Brasil perdeu a confortável suspensão independente do tipo Multilink na traseira, que passa a ser com o tradicional eixo de torção.

Por último, o A3 Sedan nacional possui uma oferta maior de equipamentos, mas apenas como opcionais, que podem acrescentar até R$ 51 mil no preço da versão Ambiente. Ainda assim, não há opção para ar-condicionado digital em nenhuma das versões.

Impressões
O G1 teve a oportunidades de testar brevemente um dos primeiro modelos de produção nacional e constatou que o novo conjunto deixou o sedã menos agressivo, embora seja mais potente.

A saída é mais suave, de aceleração gradativa, o que dá mais conforto no “anda e para” de grandes centros urbanos, mas pode ser um ponto negativo para o consumidor que vê na Audi uma alma esportiva.

No trecho percorrido em São Paulo, metade em cidade e metade em estrada, o computador de bordo registrou consumo médio de 9,1 km/l, abastecido com etanol. Na medição do Inmetro, a média do A3 Sedan nacional é de 11,7 km/l com gasolina e 7,8 km/l com etanol na cidade e 14,3 km/l e 9,9 km/l na estrada.

Pelo menos, o acabamento e o nível de equipamentos segue à altura do modelo importado Da Hungria, inclusive nos tecidos e detalhes de texturas do painel. Mesmo com a suspensão menos tecnológica, o conforto e a dirigibilidade ainda permanecem em alto nível, sendo o próximo passo para os fãs de Toyota Corolla e Honda Civic no Brasil.

Conclusão
Segundo a fabricante, as alterações foram necessárias para adequar melhor o sedã às condições dos pavimentos pelo país e também ao gosto do consumidor brasileiro, além de reduzir o custo do produto e contrabalancear o investimento feito na adaptação do motor e da linha de montagem.

Apesar de ter perdido itens importantes, o A3 Sedan de “coração brasileiro” continua um dos melhores “custo-benefício” em seu segmento, principalmente para quem busca “status” ou conforto.

Já quem prefere desempenho, e tem um pouco mais para gastar, vale a pena esperar até o final do ano pela chegada da versão 2.0, que manterá o motor a gasolina (de 220 cv), câmbio S-tronic e a suspensão multilink.

Fonte:http://g1.globo.com/



							
												

Share This: