Brasil sobe para a sétima posição no Mundial Paralímpico de Atletismo

Com mais quatro medalhas conquistadas nesta sexta-feira (30.10) no Campeonato Mundial Paralímpico de Atletismo, o Brasil saltou da 10ª para a sétima posição no quadro geral de medalhas. O salto foi possível graças aos ouros de Odair Santos (1.500m T11) e Renata Bazone (800m T11), à prata de Claudiney Batista (lançamento de disco F57) e ao bronze de Ana Cláudia Santos (100m T42). Agora, o Brasil soma 34 pódios, sendo oito ouros, 13 pratas e 13 bronzes.

Depois de passar mal e cair na pista três vezes nos 5.000m, Odair Santos mostrou que se recuperou do susto. Com 4min04s48, o brasileiro venceu a prova e faturou sua 10ª medalha em Mundiais, a oitava de ouro. Ele ainda tem uma prata e um bronze no histórico.

“Foi complicado. Eu vinha de um quadro difícil, porque tive hipertermia nos 5.000m e fui para o hospital desacordado. Então, passa um filme na cabeça quando a gente retorna. Ficará na memória o que aconteceu. Eu tinha de encarar outra batalha. Entrei com receio, mas superei mais essa com meu guia. Conquistamos mais uma medalha na carreira”, disse Odair.

Nos 800m T11, Renata Bazone terminou a prova na segunda posição, atrás da colombiana Maritza Arango Buitrango. No entanto, a vitória da sul-americana foi contestada e a organização da prova a eliminou após constatar uma ajuda irregular do guia da atleta. Com isso, Renata herdou o ouro, com o tempo de 2min23s31. Atrás dela veio a angolana Befilia Buya, com 2min34s72. A medalha de bronze ficou sem dono, já que as provas da classe T11 são disputadas por no máximo quatro atletas.

“Comecei a prova meio ‘lesada’, assim digamos, e não sabia se era nervosismo ou calor. Mas fui correndo e meu corpo foi ganhando vida. Foi quase no automático, sem pensar. Estou muito feliz com os tempos que fiz aqui”, comemorou a brasileira.

No lançamento de disco, o mineiro Claudiney Batista faturou sua segunda medalha no Mundial de Doha. Depois de levar o bronze no lançamento de dardo F57, o brasileiro voltou ao pódio nesta sexta. Com a marca de 44,37m, Claudiney conseguiu superar por apenas três centímetros Samir Nabiyev, do Azerbaijão, bronze com 44,34m. O ouro ficou com o chinês Guoshan Wu.

A última medalha do dia veio com a velocista Ana Cláudia Silva, nos 100m T42. A brasileira cruzou a linha de chegada em 16s28. O título ficou com a italiana Martina Caironi, que além do ouro ainda quebrou o recorde mundial com a marca de 14s61. A prata ficou com a alemã Vanessa Low, com 15s41.

Neste sábado (31.10), três provas encerram o Mundial Paralímpico de Atletismo em Doha para o Brasil. O país disputa o revezamento 4x100m feminino nas classes T11-13, Edson Pinheiro compete nos 100m T38 e Izabela Campos busca sua segunda medalha no arremesso de peso F12.

Fonte: http://www.brasil2016.gov.br/

Share This: