Como dirigente, goleiro do Flamengo esqueceu colegas em jogo da Copinha

Classificado como paixão nacional, nem tudo no futebol são flores. Goleiro menos vazado da edição deste ano do Campeonato Paulista da Série A3, o goleiro Wagner Asmir, 29 anos, já sentiu na pele o gosto de exercer uma dupla função em clube de futebol. Além de ter a obrigação de evitar os gols adversários, o arqueiro já viveu dias de cartola quando atuava com a camisa do rondoniense Vilhena.

O contato de Asmir como dirigente ocorreu em experiência da equipe do norte do País durante a disputa da Copa São Paulo de 2015. Sem contar com um profissional do ramo para acompanhar a delegação do Lobo, coube arqueiro encarar o desafio. Naquela edição da tradicional Copinha, os rondonienses integraram o grupo Q, disputado na cidade de Osasco. A chave também contou com Flamengo (RJ), Osasco (SP) e Sampaio Corrêa (MA).
Entretanto, um fato curioso marcou a passagem do Vilhena pela cidade da Grande São Paulo. Com duas derrotas nos dois primeiros jogos, o selecionado de Rondônia apenas iria cumprir tabela contra o carioca Flamengo na terceira rodada, e antes deste duelo um acontecimento quase impediu o time de entrar em campo na sua despedida. Isso porque o lateral-direito Márcio e o atacante Carioca, que seriam titulares na partida, foram esquecidos no hotel em que a agremiação estava hospedada.
“No momento em que os jogadores se dirigiram ao vestiário, após a chegada no estádio, o treinador foi dar a palestra e a escalação quando ele falou o nome dos dois jogadores. Aí quando olhamos para o lado no vestiário, cadê os jogadores? Os dois estavam no hotel, ninguém tinha percebido. Aí vi que tinha 10 ligações no meu celular deles pedindo pra alguém ir buscar eles no hotel. Ligamos para o táxi ir buscá-los no hotel”, detalhou o goleiro.
Wagner também relatou que mesmo com o imprevisto os jogadores chegaram a tempo de vestir a camisa do Vilhena e o defender contra o Flamengo. O goleiro também revelou que apesar da inusitada experiência nesta função, pretende dar sequência a ela assim que pendurar as luvas. “Não me vejo como técnico de futebol. Vou me preparar para depois que encerrar a carreira possa continuar no futebol como dirigente”, disse.
Com a camisa do Flamengo, Wagner disputou 18 dos 20 jogos no Campeonato Paulista da Série A3 e sofreu apenas 10 gols. É o goleiro menos vazado da competição. Depois de terminar a etapa inicial da competição estadual na liderança isolada com 40 pontos, o Rubro-Negro guarulhense fez sua estreia no quadrangular semifinal neste sábado, 09, no estádio Nicolau Alayon, na Capital, contra o Nacional, que terminou a fase em oitavo lugar. O duelo acabou com a igualdade em 1 a 1.
Fonte:http://www.guarulhosweb.com.br/

Share This: