De volta a Brasília, Temer receberá Meirelles e conselheiros políticos

Após passar o fim de semana em São Paulo, o vice-presidente da República, Michel Temer, receberá na tarde desta segunda-feira (2), em Brasília, o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles. Também participarão do encontro, segundo a assessoria do vice, conselheiros políticos de Temer: o ex-ministro da Aviação Civil Eliseu Padilha, o presidente da Fundação Ulysses Guimarães, Moreira Franco, e o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

 

Nas últimas semanas, com o andamento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional, Temer passou a se reunir diariamente com parlamentares de diversos partidos, representantes de entidades da indústria, dirigentes de centrais sindicais e assessores mais próximos.

Temer e Meirelles têm se reunido com frequência, tanto em Brasília como em São Paulo. Após esses encontros, o ex-presidente do Banco Central tem dito que o vice-presidente não o convidou para assumir o Ministério da Fazenda, mas, somente, tem trocado avaliações sobre o atual cenário econômico e apresentado sugestões para o país retomar o crescimento.

Diante da possibilidade de assumir o governo com o afastamento de Dilma, Temer passou a definir, nos bastidores, o primeiro escalão de um eventual governo – caso o Senado decida na semana que vem dar prosseguimento ao processo de impeachment, a presidente será afastada por até 180 dias e, neste período, Temer comandará o Planalto.

Entre esses nomes já escolhidos por Temer, segundo assessores do vice-presidente, estão os de Henrique Meirelles (Fazenda), que terá autonomia para indicar o presidente do Banco Central, Romero Jucá (Planejamento), José Serra(Relações Exteriores), Henrique Alves (Turismo), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (assessoria especial).

Em meio a essas reuniões de Temer com seus principais conselheiros políticos e a definição dos nomes para um eventual governo, a Fundação Ulysses Guimarães, ligada ao PMDB, elaborou um documento chamado “Travessia Social”, com propostas para a área social.

Esse documento seria divulgado nesta segunda, mas, informou a assessoria da entidade, só será apresentado após o plenário do Senado deliberar sobre o processo de impeachment de Dilma.

Isso porque neste domingo (1º), a presidente anunciou, durante ato de comemoração do Dia do Trabalho, em São Paulo (SP), reajuste nos pagamentos do programa Bolsa Família e correção na tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física.

Conforme a assessoria da fundação, essas eram algumas das propostas para a área social, caso Temer assuma a Presidência da República.

Setores da economia
Na semana passada, Michel Temer dedicou grande parte da agenda em Brasília a encontros com representantes de setores da economia. No Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-presidência, por exemplo, ele recebeu quatro centrais sindicais e representantes das federações da indústria dos estados da Região Nordeste.

Já no gabinete, que fica em um prédio anexo ao Palácio do Planalto, ele recebeu representantes de ao menos dez entidades ligadas ao agronegócio, ao setor do aço e presidentes de confederações, como as da indústria (CNI), da agricultura (CNA) e das cooperativas (CNCoop).

Sempre após esses encontros, as pessoas que se reuniam com Temer afirmavam à imprensa ter levado a ele propostas para que o país retome o crescimento econômico e a confiança dos investidores.

Fonte:http://g1.globo.com/

Share This: