Dilma diz que não muda ministério até votação do impeachment

A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira (5) que não planeja mexer em ministérios até que haja votação do processo de impeachment na Câmara. Dilma deu a declaração em entrevista após evento em que conheceu um novo avião cargueiro da Força Aérea, o KC 390, fabricado pela Embraer.

 

Dilma foi questionada por jornalistas sobre negociações do governo com partidos da base para tentar evitar o impeachment. A presidente chamou possíveis trocas nos ministérios de “especulações”.

“O Planalto não está pretendento qualquer estruturação ministerial antes de qualquer processo de votação na Câmara”, disse a presidente. “Não iremos mexer em nada”, afirmou.

A presidente também respondeu uma pergunta sobre a possibilidade de uma troca no Ministério da Educação, atualmente comandado pelo ministro Aloizio Mercadante, e ressaltou que “o MEC não está em questão”.

“Vocês têm de ter cuidado, porque as especulações que vocês fazem sobre ministérios são absolutamente especulações. Sem base, sem consulta ao palácio. “, continuou a presidente.

No Congresso, parlamentares da base aliada e oposição comentaram nesta segunda-feira (4) as negociações sobre cargos na Esplanada. Com a saída do PMDB da base aliada, o governo pode dar mais espaço para outros partidos.

Processo de impeachment
A presidente também voltou a criticar, como tem feito nos últimos dias em seus discursos, o processo de impeachment em curso na Câmara. Para ela, é “lamentável” que oposicionistas ao governo queiram fazer das chamadas “pedaladas fiscais” motivo para tirá-la do cargo.

“A tentativa de transformar isso em impeachment é golpe. É golpe, porque não tem base legal”, argumentou a presidente.

Dilma disse ainda que sem estabilidade política “não se tem crescimento econômico, recuperação da economia, não se tem a volta do crescimento com geração de emprego e os novos caminhos de oportunidade que têm de se abrir”.

A presidente fez críticas ainda àqueles que, segundo ela, torcem para o “quanto pior melhor”.

“É público e notório que tem o pessoal que torce para o quanto pior melhor. Quanto pior, pior para todos nós, população brasileira, e melhor para aqueles que querem encurtar o caminho pro poder”, disse Dilma.

“Quando você tem responsabilidade diante do país, você não cria tumulto desnecessário, sem base, nâo faz isso”, continuou Dilma.

Para a presidente, “nenhum governante conseguirá governar o Brasil” se não houver um “pacto pela estabilidade” e um “respeito às regras do jogo”.

Ela encerrou a entrevista dizendo que o governo está “inteiramente disposto a abrir diálogo”.

Antecipação de eleições
Durante a entrevista, a presidente foi questionada sobre a proposta apresentada nesta segunda-feira pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO), de antecipar para outubro deste ano a eleição presidencial, como uma solução para a crise política do país.

“Eu acho que essa proposta, como várias outras, são propostas. Não rechaço nem aceito. É  uma proposta. Convença a Câmara e o Senado a abrir mão dos seus mandatos. Aí você vem conversar comigo”, disse Dilma à jornalista que fez a pergunta.

Fonte:http://g1.globo.com/

Share This: