Djokovic supera Messi, Bolt e Curry e é eleito o atleta do ano no Laureus

Considerado o Oscar do esporte, o prêmio Laureus aconteceu nesta segunda-feira em Berlim, capital da Alemanha. Depois de um ano perfeito, o tenista sérvio Novak Djokovic ganhou o prêmio de atleta do ano pela segunda vez seguida, superando grandes nomes do esporte mundial. O argentino Lionel Messi, do Barcelona, o astro da NBA Stephen Curry, o atleta jamaicano Usain Bolt, o piloto britânico Lewis Hamilton e o golfista americano Jordan Spieth também brigaram pelo posto de melhor atleta de 2015.

Temporada de sonhos para Djokovic

Djokovic teve uma temporada irretocável. Atual número 1 do ranking mundial, o sérvio conquistou ao longo do ano 11 títulos, com 82 vitórias em 88 partidas. De todos os torneios que disputou, só não foi à final em um, logo o primeiro do ano, no ATP de Doha. Vencer adversários de alto calibre virou rotina para o tenista. Djokovic levou o troféu de torneios como o Aberto da Austrália, o US Open, Wimbledon e o ATP Finals. Faltou apenas Roland Garros, quando foi derrotado por Stan Wawrinka na final, para que fechar o ciclo de títulos de todos os Grand Slams em um mesmo ano. Isto sem contar com os títulos do ATP Finals, Masters 1000 de Paris, Xangai, Roma, Monte Carlo, Miami e Indian Wells. Bronze em Pequim 2008, ele é favorito ao ouro no Rio 2016.

Serena Williams

O prêmio de melhor atleta entre as mulheres ficou com a tenista americana Serena Williams. A temporada de 2015 foi uma das mais memoráveis de sua carreira. A número um do ranking mundial venceu três dos quatro Grand Slams do ano, Aberto da Austrália, Roland Garros e Wimbledon, perdendo apenas o US Open. Serena conquistou 53 vitórias no ano passado e sofreu apenas três derrotas. A tenista não competiu no WTA Finals, em Singapura, torneio que reuniu as oito mais bem ranqueadas por ter antecipado as férias.

Atleta do ano na categoria paralímpica

Pela terceira vez seguida, o nadador brasileiro Daniel Dias levou o Laureus na categoria paralímpico. A primeira foi em 2009, e a segunda, em 2013. O esportista bateu Marie Bochet, do esqui na neve; Liu Cuiqing, do atletismo;  Omara Durand, também do atletismo;  Pieter Du Preez, do ciclismo; e Leung Yuk Wing, da bocha.

– Estou muito feliz por receber pela terceira vez este prêmio. Infelizmente, não pude estar presente, mas agradeço primeiramente a Deus e também à Fundação Laureus por ter votado em mim – disse Daniel, indicado pela sexta vez à honraria.

Daniel não pôde viajar para a Alemanha para receber o prêmio por estar em preparação para o Open Internacional de Natação, que acontecerá de sexta-feira a domingo, 22 a 24, no Rio de Janeiro. A competição servirá como evento-teste para os Jogos Paralímpicos.

Prêmio pela carreira

Niki Lauda é um ex-piloto austríaco da Fórmula 1 que foi campeão mundial da categoria em 1975, 1977 e 1984.  Ele pilotou pela March, BRM, Ferrari, Brabham e McLaren, tendo participado de 177 GPs e obtido 25 vitórias, 24 pole positions e 24 melhores voltas. No Laureus, ele recebeu o prêmio das mãos do britânico Lewis Hamilton.

Retorno do ano

Considerado o melhor do mundo em posição de abertura e eleito o número 1 do rúgbi em 2015, o jogador Dan Carter, que atua pela seleção da Nova Zelândia desde 2003, levou o prêmio de “Retorno do ano”. O atleta teve um ano de 2013 marcado por lesões e sentiu que era o momento de parar, porém, voltou atrás e teve um ano brilhante em 2015. Na final da Copa do Mundo, ele foi fundamental na vitória de seu país sobre a Austrália por 34 a 17, em Londres, na Inglaterra. Carter converteu quatro pênaltis, dois tries e ainda marcou um gol para os All Blacks.Anotou 82 pontos ao longo do campeonato, sendo o maior pontuador do tradicional time. Para arrematar o prêmio, o neozelandês bateu Jessica Ennis-Hill, do lançamento de dardo; Mick Fanning, do surfe; Michael Phelps, da natação; Lindsey Vonn, do esqui; e David Rudisha, do atletismo.

Revelação do ano

Aos 22 anos, o americano Jordan Alexander Spieth, do Texas, foi campeão do Masters e do US Open de golfe no ano de 2015. Com isso, levou o prêmio de “Revelação do Ano”. Ele bateu o time masculino de futebol do Chile, liderado por Jorge Sampaoli e campeão da Copa América pela primeira vez; o também golfista Jason Day, da Austrália, número 2 do ranking, atrás apenas do próprio Spieth; o boxeador Tyson Fury, campeão unificado da WBO, IBF, IBO e WBA; o nadador Adam Peaty, do Reino Unido, três vezes medalhista de ouro no Campeonato Mundial; e o mais jovem a pilotar um carro da Fórmula 1, Max Verstappen, com 17 anos e 166 dias.

Fonte:http://globoesporte.globo.com/

Share This: