Emprego na indústria cai 0,8% em agosto, oitava queda seguida, diz IBGE

O total de trabalhadores na indústria brasileira caiu 0,8% em agosto na comparação com julho, oitavo mês seguido de queda. Em relação ao mesmo mês de 2014, o recuo foi de 6,9%, 47º resultado negativo seguido nesse tipo de comparação, e o maior registrado na série histórica, em janeiro de 2001.

No acumulado do ano, a queda no emprego chegou a 5,6%. Nos doze meses até agosto, o recuo foi de 5,1%, mantendo trajetória de queda que começou em setembro de 2013.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (16) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário.

Na pesquisa anterior, com dados de julho, a queda do emprego industrial tinha sido de 0,7%.

Emprego caiu em todos os setores

Em um ano, o número de trabalhadores na indústria caiu nos 18 ramos pesquisados pelo IBGE. As maiores quedas foram em máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-14,4%), meios de transporte (-12,4%) e outros produtos da indústria de transformação (-10,7%).

No acumulado dos oito meses do ano até agosto, o emprego industrial também registra queda em todos os ramos pesquisados.

Valor da folha de pagamento também tem queda

O valor da folha de pagamento real (ajustada pela inflação) dos trabalhadores caiu 1,3% em agosto, na comparação com julho. É o segundo mês seguido de queda.

Em relação a agosto de 2014, a queda foi de 8,4%, 15º resultado negativo nesse tipo de comparação. O recuo chegou a 6,5% no acumulado do ano e 5,6% nos 12 meses até agosto.

O número de horas pagas aos trabalhadores caiu 0,9% de julho para agosto, sexto mês seguido de queda. Em um ano, o recuo foi de 7,5%, 27ª taxa negativa nesse tipo de confronto e o maior desde o início da série histórica, em janeiro de 2001.

Produção industrial caiu 1,2% no mês

No início do mês, o IBGE divulgou que a produção industrial brasileira registrouqueda de 1,2% em agosto na comparação com julho, terceiro resultado negativo seguido e o pior para o mês desde 2011.

Na comparação com agosto de 2014, a produção caiu 9%, pior resultado da série para os meses de agosto nessa base de comparação.

Desemprego em agosto chegou a 7,6%

Em agosto, o desemprego subiu a 7,6%, o maior para o mês desde 2009, segundo dados da PME (Pesquisa Mensal de Emprego), divulgada pelo IBGE no mês passado.

O mês também teve fechamento de 86.543 vagas de trabalho com carteira assinada, de acordo com o Ministério do Trabalho. Foi o quinto mês seguido com corte de empregos.

IBGE vai acabar com Pimes

Em 2016, o IBGE vai acabar com a Pimes e com a PME. Das três pesquisas mensais com dados de emprego, apenas a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua continuará.

Segundo o instituto, a Pnad Contínua é mais abrangente que as outras duas pesquisas.

A última coleta da Pimes está programada para acontecer em dezembro deste ano, com divulgação prevista para fevereiro.

Share This: