Estudante vai representar o Brasil em ‘G20 para meninas’ na China

A estudante de direito Ana Carolina Paixão de Queiroz, de 18 anos, viaja de São Paulo neste domingo (31) rumo à China para representar o Brasil no congresso G(irls)20, uma espécie de G20 onde meninas do mundo todo vão discutir engajamento econômico feminino.

Por dez dias, Ana Carolina e outras 23 “delegadas” de 18 a 23 anos, uma de cada país do G20 e mais representantes dos sindicatos africanos e do Oriente Médio, vão discutir questões sobre economia e liderança das mulheres. O G(irls)20 foi criado em 2011 por uma ONG internacional, para funcionar nos mesmos moldes do G20, grupo dos países mais desenvolvidos do mundo que se reúne todos os anos para falar sobre economia.

No fim do evento, será compilado um documento com sugestões e encaminhado ao G20, que também se reúne na China, em setembro.

Ana Carolina foi escolhida depois de passar por um processo seletivo que envolveu análise de textos, vídeo (veja acima) e entrevista. Um dos critérios foi o de apresentar um projeto que incentiva o empoderamento econômico da mulher no país de origem de cada delegada. O trabalho da brasileira reúne duas paixões: feminismo e robótica.

A estudante vai criar um site batizado em português de ‘Fazer ciência como uma menina’ que vai combater o machismo e ensinar robótica ao mesmo tempo e estará dividido em três partes:

– uma direcionada aos professores para que identifiquem situações de machismo em sala de aula, saibam lidar com elas e ajudem a fazer com que deixem de existir.

– outra para alertar “meninas mais velhas” que reproduzem situações de machismo sem ter consciência, e estimulem as meninas mais novas sendo suas mentoras na disciplina.

– a terceira parte será mais lúdica com exercícios e atividades do universo da robótica dedicadas os alunos.

A estudante quer divulgar a plataforma nas escolas de periferia para incentivar que cada vez mais meninas se interessem pelo tema. A inspiração veio da própria história. Quando era criança, Ana Carolina se apaixonou pela robótica, mas se incomodava com a falta de meninas interessadas pelo assunto. “Eu tinha 10 anos quando pedi para minha mãe me colocar nas aulas de robótica da escola. Adorava aprender sobre os motores e as funções das peças, mas era problemático porque era a única menina. Era subjulgada e excluída pelos meninos, que viviam fazendo piadas, mas, na época, eu não sabia o que era machismo”, diz Ana Carolina.

Mesmo após ser premiada em competições de robótica, Ana Carolina resolveu deixar a equipe por conta das questões de gênero. “Só voltei porque uma professora me procurou e me convenceu a continuar. Aí fui para competições na África do Sul e no Canadá.”

Sobre a oportunidade de representar o Brasil no G(irls)20, ela disse que está animada com a possibilidade de conhecer meninas de culturas diferentes e saber quais problemas enfrentam. “O que sofremos aqui é diferente das outras partes do mundo e de como lidar com isso. Representar o Brasil é muita responsabilidade. Estudei com bolsa em escola particular, mas a maioria das meninas está na periferia, não é branca, não é rica. Meu trabalho é direcionado a elas.”

Orgulho de ser feminista
Quando estava no 9º ano do ensino fundamental, Ana Carolina desenvolveu um projeto de iniciação científica sobre a prevalência dos sintomas da tensão pré-menstrual e valorização do corpo. O projeto envolveu meninas da periferia que também participaram de uma palestra sobre os motivos de menstruarem cada vez mais cedo e como lidar com a questão hormonal.

O trabalho foi o estopim para que Ana Carolina passasse a estudar e se interessar mais pelo universo feminino e ser uma entusiasta da causa. “Me passaram referências de leituras que fui agregando ao meu repertório. Chegou uma hora que eu falei: acho que sou feminista. Não me incomodo com o rótulo, ao contrário, tenho muito orgulho. Mas meu sonho é que não exista mais feminismo e mulheres que sofram opressão. Ser feminista significa que o você ainda vive em uma sociedade que oprime as mulheres.”

Graduação em Stanford
A brasileira cursa direito na Universidade de São Paulo (USP), mas em setembro muda de endereço. Ela foi aceita pela Universidade Stanford nos Estados Unidos. Lá pretende mesclar os cursos de ciências da computação e economia, já que a grade permite esta interdisciplinaridade. “No Brasil eu era obrigada a escolher entre ciências humanas e exatas. Desenvolvi um projeto sobre feminino, não me via trabalhando só com engenharia. Mesmo meus projetos de robótica têm cunho social.”

No futuro, pretende fazer pesquisa científica e lecionar. “Gosto de ajudar os outros a aprender, penso em seguir carreira acadêmica.”

Fonte:http://g1.globo.com/

 

Share This: