Fotos de pepitas gigantes em redes sociais criam nova Serra Pelada

Dono de uma funilaria em São Paulo, Abiude Cerqueira, 38, foi a Mato Grosso participar de uma festa com a família e soube, no último final de semana, da descoberta de “uma nova Serra Pelada” na pequena cidade de Pontes e Lacerda, a 450 km de Cuiabá.

Está há quatro dias coberto de barro, cavando um buraco que, na quarta-feira (14), já havia atingido seis metros de profundidade. Mas, até agora, nada de ouro.

“Sou funileiro. Nunca vivi nada parecido, mas estou gostando. Quem sabe não vamos tirar a sorte grande?”

Assim como Abiude, cerca de 2.000 pessoas, segundo cálculos da prefeitura, foram seduzidas por imagens de pepitas gigantes e sacos de dinheiro compartilhadas nos últimos dias nas redes sociais. Imagens que ninguém sabe dizer se são verdadeiras.

Chamada de “Serra Pelada de Mato Grosso”, a área fica a 18 km da sede do município e atrai pessoas de todo o país.

Entre elas, estão garimpeiros experientes, aventureiros, ricos, pobres e gente que, poucos dias antes, nunca havia colocado os pés em uma área de extração mineral.

Wesley Caetano, 19, deixou o emprego em um lava-jato de Indiavaí, um município da região, para procurar ouro. “Meu Whatsapp estava lotado de fotos de ouro e histórias de gente que ficou rica. Pensei: é minha chance”, disse ele, que também ainda não viu a cor do ouro.

A atividade é ilegal, segundo o Departamento Nacional de Produção Mineral, que foi informado sobre o garimpo há 20 dias. Garimpeiros dizem que as primeiras escavações começaram em agosto deste ano, mas a maioria chegou nos últimos 15 dias.

Onde Fica Pontes e Lacerda, no Mato Grosso

Onde Fica Pontes e Lacerda, no Mato Grosso

Parte da área pertence ao Incra e não há licenciamento para lavra mineral.

“O que existe é um requerimento de pesquisa, protocolado em 1991 [pela mineradora Santa Elina, de capital canadense] e que não foi concedido até hoje”, diz Márcio Amorim, superintendente estadual do departamento.

Ele afirma que é possível que existam no local lavras de grande porte, mas geralmente em áreas de grande profundidade. E que apenas mineradoras têm equipamentos para acessá-las.

Por isso, vê frustração para a maioria dos garimpeiros.

Além disso, o garimpo fica dentro da faixa de fronteira com a Bolívia, onde atividades como a de mineração dependem do aval do Conselho de Defesa Nacional.

Na terça-feira (13), a Procuradoria da República pediu à Justiça Federal o fechamento do local. “Os recursos minerais são bens da União (…). A extração sem a devida autorização do órgão fiscalizador constitui dano ao patrimônio da União.” A Justiça ainda não se manifestou sobre o pedido.

DA NOITE PRO DIA

O local se converteu da noite para o dia em uma esburacada e barulhenta vila, com trilhas íngremes, barracas de lona e lojas improvisadas que vendem pás, picaretas, bebidas alcoólicas e marmitas.

O movimento de pessoas, carros e equipamentos é intenso. Na estrada que dá acesso à área, o pasto de uma fazenda foi transformado em estacionamento e o proprietário cobra diária de R$ 50 por veículo. No fim da tarde de quarta, a reportagem contou 340 carros no local.

Os garimpeiros se reúnem em grupos e trabalham em regime de turnos. Cavam dia e noite. Do pé ao topo da serra, a travessia do garimpo é feita à beira de buracos com até 20 metros de profundidade.

O prefeito Donizete Barbosa do Nascimento (PSDB) diz que houve “exagero” na divulgação do garimpo. “Aquelas pedras enormes [compartilhadas nas redes sociais] foram certamente montadas por alguém e isso ajudou a trazer essa multidão para cá. Mas não resta dúvida de que há ouro por lá.”

http://www1.folha.uol.com.br/

Share This: