Guarulhos, a cidade que foi a capital do esporte amador

Em 1990, com times de ponta disputando diversos campeonatos, grandes nomes na cidade e incontáveis conquistas memoráveis, Guarulhos recebia o título de capital do esporte amador. Naquela época, o segundo maior município do Estado vivia os gloriosos tempos de ouro do esporte. O fato é lembrado com tristeza por muitos que vivenciaram esses saudosos dias.

Infelizmente, hoje vemos um cenário cruel. Mas nada é capaz de mudar a história construída pelo mérito de muitos profissionais que fizeram carreira pelas terras guarulhenses. Afinal, o amor ao esporte por muitos munícipes dedicados permanece. E a cidade, apesar do descaso e abandono, tem muito do que se orgulhar.

Olimpíadas Colegiais

Registradas na memória de muitos guarulhenses, as 45 edições das Olimpíadas Colegiais Guarulhenses foram marcos na história de muita gente, além do evento ser um dos trunfos e símbolo da glória do esporte amador da cidade. A primeira OCG aconteceu com o golpe militar de 1964, quando o interventor Jean Pierre de Morais Barros assumiu a cidade após a queda do então prefeito, Alfredo Nader.

O projeto foi concretizado por Ronaldo Saraceni, João da Costa Freitas, Milton Rezende e Mauricio Vieira. Com o sucesso da primeira edição, outros nomes foram chamados para compor a Comissão Central Organizadora da segunda edição da OCG.

De acordo com informações da Prefeitura de Guarulhos, “as primeiras edições contaram com a participação de 15 escolas do município”. A OCG cresceu e chegou a contar com a adesão de 120 escolas, entre municipais, estaduais e particulares e aproximadamente 20 mil alunos, em 15 modalidades, tornando-se a maior competição estudantil do País.

Em 2015, a OCG esteve ao ponto de ser cancelada, por falta de verba. Mas a mobilização da população e de diversos militantes reverteu o que mancharia a história do evento, que já ajudou a muitos jovens, não só servindo como ferramenta de entretenimento, mas de respeito, saúde e, sobretudo, educação. Como é o caso da atleta Andressa Alves, 24, que começou a jogar basquete pela E.E. Vereador Elísio Oliveira Neves com 11 anos e conquistou diversos títulos escolares, entre eles o de campeã estadual. “Eu também participei da OCG competindo pelo colégio Progresso Centro (Nahim Ahmad), que me proporcionou, graças ao esporte, uma bolsa. Isso me motivou muito a sonhar mais alto, a querer sempre mais.

Assim, eu tive um sonho quando ainda estava no ensino médio: conseguir uma bolsa acadêmica fora do País”. Hoje, a atleta mora e joga nos EUA pela Universidade Missouri Valley College, graças ao pontapé inicial que a OCG deu em sua vida.

O homem que conduziu o esporte nos áureos tempos

O ex-secretário de Esportes Wilson Alves David, 70, foi o responsável por estruturar o Departamento de Esportes que até 1982 pertencia à Educação, quando Rafael Rodrigues Filho criou a Secretaria de Esportes. Rafael era presidente da Câmara e assumiu a Prefeitura quando Néfi Tales e seu vice, Oswaldo de Carlos, desincompatibilizaram-se de seus cargos para disputar as eleições daquele ano.

David terminou sua primeira passagem pela Pasta em 1983, sendo sucedido por Aparecido Padilha Martins. Mas, o primeiro secretário não ficou muitos anos longe e em 1986 voltou ao cargo, ficando até 1996 – época em que Guarulhos recebeu o título de capital do esporte amador. Procurado pela Reportagem, o ex-secretário mostrou tristeza ao relembrar os bons tempos e foi veemente ao criticar a atual gestão. A grande dúvida do povo é saber de quem é a verdadeira responsabilidade, do chapéu ou de quem o veste?

“Não é só o secretário que vai conseguir fazer alguma coisa. É preciso ter a colaboração do prefeito da cidade, que queira um trabalho decente e correto. A Secretaria de Esporte tem uma série de profissionais de diversas modalidades esportivas e olímpicas que têm condições de realizar um bom trabalho. Basta que o secretário tenha conhecimento e competência e o prefeito realmente queira. Quanto tempo faz que não se constrói um próprio público? O Thomeozão mesmo, era para serem construídas quatro torres, que até hoje não foram terminadas. O prefeito Paschoal Thomeu começou, e os outros que assumiram posteriormente não deram continuidade. A Secretaria poderia ser alocada nas torres e assim não existiria a necessidade de pagar aluguel”.

Em 2013, Guarulhos deixou de participar dos Jogos Regionais e também dos Jogos Abertos do Interior. Para o primeiro secretário da Pasta, uma cidade que em outras épocas foi responsável por fornecer grande número de atletas para as mais distintas modalidades profissionais no Brasil, deixar de participar dessas competições é uma vergonha. “De 90 a 95, a cidade foi campeão dos Jogos Abertos. Do tempo que fiquei, por sete anos consecutivos a cidade foi campeão dos Regionais. É uma vergonha que uma cidade de nível sócio econômico elevado, que teve predominância, não participar dessas competições e nem ter trabalhos decentes na área”, pontua. “E não tem nada de dificuldade. O que precisa é de profissionais qualificados e isso Guarulhos tem. O que falta é conhecimento e vontade de fazer o trabalho”.

Sobre a solução: “Se o povo não eleger representantes que estejam à altura para assumir Guarulhos, vai ficar muito difícil algo mudar nesta cidade. E isso não é só para o esporte”. Questionado se aceitaria um retorno à Pasta, caso surgisse o convite, Wilson Alves é claro: “Desde que seja um prefeito que tenha condição de organizar e administrar esta cidade com um trabalho bastante sério e correto, sim”, conclui.

Camisa 10

O Brasil é o país da bola e não seria Guarulhos a ter menor amor pelo futebol. além das peladas das ruas e os campeonatos de diversos sindicatos, temos times profissionais:

  • A Associação Atlética Flamengo foi fundada no dia primeiro de junho de 1954 pela carioca Guiomar Pereira Xavier. Desde lá, o Flamengo de Guarulhos, ou Corvo, como é apelidado, conquistou importantes títulos, como o Campeonato Paulista Segunda Divisão, em 2000;
  • A cidade tem também em seu rol de times que disputam campeonatos estaduais profissionais a A.D. Guarulhos – Associação Desportiva Guarulhos, ou Índio, como é comumente conhecido. O time foi fundado em 64 e já disputou diversos paulistas;
  • No futsal, fomos representados por anos pela Associação Desportiva Wimpro, fundada em 1984, com a união da empresa Winton Equipamentos e do Colégio Progresso. Com títulos como Brasileiro, Paulista, Metropolitano, Jogos Regionais e Abertos, projetou craques pelo Brasil, dentre os quais: Índio, Humberto, Paulinho Japonês e muitos outros.

Guarulhos na Rússia

Guarulhense de corpo e alma, José Marcelo Silveira Gomes, 42, professor de educação física e personal trainer, está na Rússia pela segunda vez para ser preparador físico de um tradicional time de futsal do país: Dínamo de Moscou.
O garoto que começou com 15 anos no AD Wimpro, é nascido e criado na região do Paraventi, onde mora até hoje. No Wimpro, conquistou diversos títulos no futsal como jogador e também preparador. “Tudo que eu tenho hoje profissionalmente eu devo ao esporte da cidade. Comecei no futsal, como goleiro, em times da cidade como Wimpro e Seleção de Guarulhos, numa época em que o investimento era bom. Depois de alguns anos, me tornei preparador físico também na Wimpro”.

Sobre a situação atual de Guarulhos, José é claro: “Triste. Eu tenho três filhos. Tive a oportunidade de jogar, brincar e aproveitar muito o esporte da cidade. Meu filho de quinze anos adora handebol e, infelizmente, ele precisa sair da cidade para fazer alguma coisa. Não há segurança, incentivos, nem espaços. É difícil pensar numa cidade desse tamanho, que quer falar de investimento em saúde e não investe em esporte”, lamenta.

José Marcelo leva não só o nome de Guarulhos para a Rússia, mas um projeto desenvolvido aqui, por Miltinho, outro grande profissional guarulhense que passou por times como Atlético Mineiro, Corinthians e Gazprom-Ugra ( da Rússia). No maior país do globo, José Marcelo será responsável por montar o departamento de preparação física, executando toda a pré-temporada e o começo da temporada.

Handebol no estilo GRU

Francielle Gomes da Rocha, 24, não nasceu em Guarulhos, mas em Minas Gerais. Chegou na cidade ainda com 14 anos e foi aqui que a armadora montou sua carreira de atleta, alcançando o que muitos que amam o esporte almejam: as Olimpíadas. “Representar o Brasil em qualquer campeonato já é importante, nas Olimpíadas e aqui no Brasil é o sonho, um orgulho para qualquer atleta”.

A atleta que já participou de competições como Sul-Americano, Pan-Americano, quando foi campeã em Toronto; Mundial, Champions League e Winner’s Cup, tem no coração o município. “Guarulhos é minha segunda casa, foi onde tive a oportunidade de me destacar no clube e de ter a chance de me tornar atleta da Seleção. Comecei em Guarulhos em 2007; nesse mesmo ano, fui campeã cadete e destaque do campeonato paulista, e vice-campeã na categoria juvenil”. Depois disso, Fran conta que foram muitos títulos entre Jogos Regionais, Jogos Abertos e Copa São Paulo. Em 2013, a armadora foi jogar na Europa. Já em 2015, voltou para Guarulhos, onde joga no Vegus/Guarulhos, time oficial da cidade.
Para Fran, o esporte é importante para crescimento de atletas e da própria cidade, pois ela passa a ter mais visibilidade. “Infelizmente o esporte em Guarulhos não está sendo valorizado como quando cheguei na cidade, onde havia muitas equipes boas, com categorias de base. Hoje deve dar para contar nos dedos quantas equipes participam de algum campeonato forte. E chega a ser triste pelo tamanho que Guarulhos tem”, conclui.
Outra jogadora de peso que já brilhou na Seleção e tem sangue guarulhense é Micca, ou Milene Bruna Lima Figueiredo, 33, que começou no esporte por incentivo de sua professora de educação física de quando tinha 10 anos. Não demorou muito para ser convidada a jogar pela cidade, quando estava participando da OCG. Em 2006, Micca jogou na Espanha, pelo Leon.

Com um currículo de dar inveja, a atleta subiu no pódio nos Jogos Pan-Americanos, no Rio; já competiu nas Olimpíadas, em Atenas (2004); levou a artilharia do campeonato Sul-americano cadete, em 1999, no Chile, além de mais de uma dezena de conquistas. “Ver o esporte no estado em que está é muito triste. A prática realmente tira as crianças das ruas e das drogas e dá uma qualidade de vida diferente. Não necessariamente com dinheiro, mas você escolhe um caminho de respeito ao próximo, de fazer o bem. Há 4 anos, fui assistir minha sobrinha em uma OCG e estava tudo abandonado, duas a três pessoas assistindo. Thomeozão, Fioravante: jogados às traças. É muito triste”, lamenta Micca.

Já César Augusto de Oliveira Almeida, ou só Bombom, 28, é guarulhense criado nas ruas do Cocaia. Goleiro da Seleção Brasileira de handebol campeã dos Jogos Pan-Americanos em Toronto (2015), e no clima para defender o Brasil nas Olimpíadas Rio 2016, Bombom já foi campeão da OCG pelo Parthenon em 2004. Pouco para muitos, para o atleta é muito, pois ele tem um grande carinho pela cidade que foi o seu ponto de partida.

Figura carimbada na cidade, Alexandre Ribeiro, o Zuza, é um cara de extrema paixão pelo que faz. Além de empresário no ramo de assessoria esportiva, lidera um projeto de handebol com crianças e adolescentes na cidade. Jogou pelo munícipio, quando ganhou um campeonato internacional na Itália (Copa Étina), e em equipes como Santo André, São Caetano, e Mogi das Cruzes. Para quem quiser conhecer um pouco mais sobre esse campeão, basta acessar o portal Click Guarulhos e conferir a entrevista concedida à RG de junho de 2015. http://goo.gl/I3FHJl

Ele é zika

Armador da Seleção Brasileira de Basquetebol, Carlos Domingos Massoni, 77, o Mosquito, é medalhista na sua modalidade. Em 1963, o atleta conquistou o Campeonato Mundial, no Rio de Janeiro, faturando em cima da seleção dos EUA. Além desse importante título, Mosquito coleciona diversas outras medalhas em sua carreira. Em Guarulhos, foi professor de educação física e representou a cidade como técnico de equipes de basquete que disputaram Regionais, Estaduais e Abertos do Interior.

Os tempos de ouro

Falar com Wilson David dos Santos, de 56 anos, é rememorar os tempos de ouro em que Guarulhos fora considerado a capital do esporte amador. Detentor de títulos como Estadual, Brasileiro, Sul Americano, Troféu Brasil de Atletismo, Wilson foi um dos condutores da Tocha Olímpica em Guarulhos, fato que conta com orgulho e emoção.
Quando o assunto são os benefícios do esporte para a cidade, o atleta, que participou das Olimpíadas de Los Angeles em 1984 e leva o nome de Guarulhos no peito, conta que o investimento no esporte é muito mais que diversão, ou uma questão de tirar adolescentes das ruas: É investir na saúde e também educação. “Grandes nomes saíram das Olimpíadas Colegiais. Não foram somente esportistas. Eventos como esse têm muito valor para os profissionais de educação física e alunos competidores”.

Wilson conta que, em questão de estrutura, os próprios públicos não eram muito diferentes de hoje, mas os cuidados eram feitos com primor; segurança e garantia de uso aos esportistas eram prioridades. “No ginásio da Ponte Grande, por exemplo, os atletas não corriam o risco de ter sua garganta cortada por uma linha de pipa, ou ter de suportar o cheiro de droga. Existia limpeza e conservação. Em épocas de OCG, tinha desfile, concurso de rainha das olimpíadas. Não precisava de grandes shows. Os participantes eram a festa”.

O atleta lembra também dos incentivos que existiam, como a campanha Adote um Atleta. “A primeira cidade a implementar a campanha foi São Paulo, em 77. Eu fui o primeiro atleta do município a ser adotado, ainda na Capital. A cidade de Guarulhos foi a segunda a adotar a campanha, em meados de 80. Era uma forma das empresas fomentarem o esporte. Na época, o esporte em Guarulhos cresceu muito. Diversos atletas vieram para a cidade, como João do Pulo, Conceição Geremias, Zequinha Barbosa, Marli dos Santos e tantos outros”, relembra.

Mestre e pupilo

Marcos Magnoni, que em 2007 conduziu a tocha dos Jogos Pan-Americanos junto com outras personalidades locais e é fundador da Academia Acqua Sport, recebeu a visita de Wilson David dos Santos, a quem incentivou para começar a treinar: “Eu trouxe a tocha para ele ver, como um gesto de minha gratidão”.

Iniciativas

O Programa Viva Esporte na cidade de Guarulhos, criado em 2003, é um programa que incentiva a iniciação da atividade física e do esporte.

As inscrições permanecem abertas durante todo o ano. Para participar, deve-se comparecer ao núcleo mais próximo da residência e se apresentar ao professor da modalidade de interesse. Podem participar crianças e jovens com idade entre 7 e 18 anos.
As atividades são divididas em modalidades coletivas (futsal, futebol, voleibol, basquetebol, handebol) e modalidades individuais (karatê, judô, xadrez).

Convocados

O professor guarulhense Gilson Del Santo, do curso de educação física da FIG-Unimesp, foi convocado como oficial técnico nacional de voleibol, integrando o grupo de estatísticas das Olimpíadas Rio 2016.

Mônica Barroso dos Anjos, professora de Educação Física da Prefeitura de Guarulhos, estará presente no quadro de árbitros que estarão na modalidade Ginástica Artística.

A chama da Grécia na cidade

Houve até quem tivesse tentado impedir a alegria dos atletas e simpatizantes que ansiosamente aguardaram a chegada da Tocha Olímpica em Guarulhos, mas sem nenhum sucesso. A chama acendida em Atenas, na Grécia, percorreu 10,4 km da cidade, por avenidas como Tiradentes, Suplicy e Paulo Faccini. Foram 52 condutores que tiveram o privilégio de percorrer as ruas com o símbolo-mor das Olimpíadas.

Guarulhos tem

Thomeozão

Criado em setembro de 1993, o Ginásio Paschoal Thomeo, já sediou diversos campeonatos, assim como foi palco de muitos shows. Fica na rua João Bernardo de Medeiros, 702, Bom Clima, e tem capacidade para aproximadamente 9 mil pessoas em shows e 7 mil pessoas em eventos esportivos. Atualmente não pode ser utilizado por falta do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB). Tem sido o local para o recadastramento do Bolsa Família, porque, segundo a Pasta, a quantidade de pessoas é reduzida, o acesso é controlado e não são utilizadas as arquibancadas.

Fioravante Iervolino

Concedido em 2014 ao Falcões Moto Clube de Guarulhos, o Ginásio Poliesportivo fica localizado na alça de acesso à avenida Aniello Pratici, ao lado da via Dutra. O espaço tanto já foi palco de grandes competições esportivas no passado distante, como serviu de depósito para a GCM e albergue para pessoas sem moradia, num tempo não tão distante assim.

Ginásio Bonifácio Cardoso

Localizado na rua Arujá, 372, na Vila Tijuco, é destinado à prática da modalidade de ginástica artística e rítmica, além do atendimento à terceira idade. Foi inaugurado em junho de 1992.
Enfrenta problemas, mas está em funcionamento.

Oswaldo de Carlos

Recebeu melhorias feitas pelo Sesc e foi reinaugurado em setembro de 2011 e está localizado na rua Tapauá, Vila Monteiro Lobato. Era uma esperança, mas, apesar da reforma, apresenta problemas como a má conservação da grama sintética: buracos no solo, desníveis na grama e placas descoladas.

Ponte Grande

O Estádio Municipal Arnaldo José Celeste, ou da Ponte Grande, é o primeiro dos próprios esportivos da cidade, inaugurado em julho de 1975. Localizado na avenida Domingos Fanganielo, o complexo é composto de ginásio poliesportivo, duas quadras externas, campo de futebol e pista de atletismo. Apesar de ser o mais velho, ainda resiste. Mesmo com os problemas de vazamento de água, falta de iluminação e má conservação, é um dos poucos espaços que sediam consecutivos eventos esportivos.

Ninho do Corvo

Estádio Municipal Antônio Soares de Oliveira, localizado na rua Dr. Bezerra de Menezes, 250, Jardim Tranquilidade, com capacidade para 6.235 pessoas, é a casa dos times A.D Guarulhos e Flamengo. Inaugurado em 1992, com o nome de Estádio da Associação Atlética Flamengo. Passou a ser chamado de Antônio Soares de Oliveira em março de 1993, pela Lei Municipal nº 4.256.

João do Pulo

Localizado na Rua Maria Cerri, 213, no Jardim Divinolândia, o Centro Social Esportivo João Carlos de Oliveira, ou João do Pulo, conta com ginásio poliesportivo, três quadras externas de uso livre à comunidade, campo de futebol e piscina de 25 metros, coberta e aquecida. Foi fundado em maio de 1982. Infelizmente, a população não tira o chapéu para o ginásio, pois encontra-se fechado desde 2013.

CEU’s

Além dos próprios públicos destinados ao esporte, a cidade conta com 10 Centros de Educação Unificados (CEU), que favorecem as práticas educativas, esportivas, culturais e de lazer. Outros quatro estão em construção: Continental, Bonsucesso, Itapegica e São Domingos. Os CEUs funcionam todos os dias. Informações: 2475-7300.

Fonte:http://www.clickguarulhos.com.br/

Share This: