Massa admite que 2016 pode ser último ano na F1, mas insiste que “experiência deve contar para vaga competitiva” em 2017

Felipe Massa reconheceu que a temporada 2016 pode ser a última de sua carreira na F1. O brasileiro, entretanto, deixou claro que não vai desistir de obter uma vaga competitiva ainda em 2017. O contrato do piloto com a Williams se encerra no fim desta temporada.

Massa, de 34 anos, está prestes a iniciar seu 14º campeonato na maior das categorias e permanece otimista para uma temporada forte da equipe inglesa, a partir de 20 de março, em Melbourne, na Austrália.

“Definitivamente, eu estou realmente ansioso por permanecer na F1 na próxima temporada”, afirmou Felipe durante uma entrevista ao canal britânico BT Sport 1, nesta semana. “Isso é o que quero fazer e sinto que ainda posso fazer muito mais na F1. Sinto que ainda posso ser competitivo”, completou.

E em 2017, eu diria que será um ano de muitas mudanças, então acho que a minha experiência na F1 vai contar muito”, acrescentou. “Mas agora eu quero apenas me concentrar em 2016. Depois disso, se eu tiver um bom ano, tenho certeza de que vai surgir a chance de continuar em uma equipe forte”, emendou o brasileiro.

Massa também falou sobre Lewis Hamilton, que conquistou o tricampeonato no ano passado. O piloto da Williams vê o inglês novamente como favorito e defendeu o rival quando perguntado sobre a vida agitada do britânico. “Acho que ele está apenas tentando aproveitar a vida, mas tenho certeza de que está treinando muito também.”

“Quando ele pilota o carro, você percebe isso. Todo mundo viu o que ele fez no ano passado, foi fantástico. Ele desfruta de seu tempo livre, mas tenho certeza de que acorda pensando em ser de novo campeão, então não descuida dos treinos. E, por isso, acredito que ele está fazendo a coisa certa”, disse Felipe.

O dono de 11 vitórias na F1 também entende que Hamilton já merece ser comparado com os grandes nomes do esporte. “Merece sim. Não se pode esquecer o trabalho incrível que ele fez neste ano. Nas primeiras 10, 11, 12 corridas do ano, ele foi fantástico. É verdade que ele tem o melhor carro, de longe, melhor do que de todo mundo, mas ele fez um grande trabalho também.”

“Ele merece todo o crédito. E não acho que os demais tenham inveja, não é a palavra certa. Talvez o certo seja festejar tudo isso. Quando a mim, realmente espero ter um bom carro no futuro e poder vencer a Mercedes”, encerrou.

Fonte:http://www.msn.com/

 

Share This: