Produtores dizem que clima e falta de sementes prejudicam plantio de feijão

Produtores de feijão da região de Itapetininga afirmam que estão com dificuldade no plantio devido ao clima instável e à falta da sementes no mercado. De acordo com o produtor Abel Simões, que trabalha em uma fazenda em Paranapanema (SP), a área da propriedade até está preparada para receber o feijão, mas o plantio, que seria mês passado, foi adiado.

 

“Este ano, particularmente, tivemos que dar uma aguardada no plantio de feijão. O problema foi esse frio rigoroso acompanhado de geada. O feijão é uma planta muito sensível à geada e qualquer uma atrapalha muito a produtividade do feijão, com perdas de 50, 70 ou até 100% da produção”, conta.

Além da dificuldade com o clima, os produtores de feijão também afirmam que estão enfrentando a falta da semente no mercado, pois um dos principais distribuidores, que fica em Goiás, sofreu com a seca no início do ano. Em uma empresa de Itapetininga (SP), que trabalha com a venda de insumos agrícolas, por exemplo, o preço da semente já está custando R$ 12,00 o quilo, valor 100% maior do que o do ano passado.

Segundo o gestor comercial Jair Bonfante, ele até tentou comprar no início do ano as sementes, mas os fornecedores se recusaram a receber os pedidos. “Nós não temos há vários meses disponibilidade de sementes de feijão. A próxima entrega com certeza não vai servir para nossa região. Para essa próxima safra está totalmente descartada a possibilidade”, afirma.

O produtor rural Celso Ventura afirma que produz feijão há 50 anos. Contudo, desde o ano passado, os 800 hectares de sua propriedade estão com milho e trigo. “Se eu quiser plantar feijão tenho maquinário e irrigação. Mas está faltando vontade e um pouco de coragem de plantar. Então, nós optamos por soja, milho, trigo e deixamos o feijão de lado”, afirma.

Leomir Francisco Baldissera também alega que o feijão também perdeu espaço em sua propriedade rural. Para essa safra, ele pretende reduzir em 50% o plantio e ainda vai apostar em outras culturas.

“Hoje o feijão vale aproximadamente R$ 15,00 para consumo. O valor da semente normalmente é o dobro do valor para o consumo e acreditamos que vai se aproximar R$ 20,00. Isso encarece por demais a cultura e vai ter dificuldade para resgatar esses valores. Quando vamos colher o feijão,  o mercado vai estar abastecido e ai o preço cai”, ressalta.

Fonte:http://g1.globo.com/

Share This: