Trump aceita oficialmente candidatura e diz que vai restaurar ‘lei e ordem’

Trump e candidato a vice durante última dia da convenção republicana nos Estados Unidos (Foto: John Moore/Getty Images/AFP)

Donald Trump insistiu que é o único capaz de restaurar “a lei e a ordem” nos EUA em seu discurso no encerramento da convenção do Partido Republicano, na quinta (21). Na última noite do evento o candidato “humildemente” aceitou oficialmente sua indicação para concorrer à presidência, tendo Mike Pence como vice.

Ele foi apresentado por sua filha mais velha, Ivanka Trump e recebido aos gritos de “Trump” e “USA”.

Ao falar por 75 minutos, de acordo com a CNN, Trump quebrou o recorde de discurso mais longo da história durante uma aceitação de indicação em ambos os partidos. O recordista anterior era Bill Clinton, que falou por 64 minutos e 44 segundos na convenção democrata de 1996.

Na convenção, delegados de todos os 50 estados se reuniram durante quatro dias e confirmaram sua candidatura após Trump conquistar a maioria dos votos nas prévias em todo o país.

“Juntos, iremos conduzir nosso partido de volta à Casa Branca, e iremos conduzir nosso país de volta à segurança, à prosperidade e à paz. Seremos um país de generosidade e calor. Mas também seremos um país de lei e ordem”, disse na abertura do discurso.

“Tenho uma mensagem para todos vocês: o crime e a violência que hoje afligem nosso país logo chegarão ao fim. Começando em 20 de janeiro de 2017, a segurança será restaurada”, continuou.

Trump afirmou ainda que será um líder capaz de recuperar um país que sofre com corrupção e imigração ilegal, apontadas como duas grandes ameaças.

Após citar um aumento da violência e recentes casos de ataques contra policiais, ele emendou menções a imigrantes ilegais, dizendo que “quase 180 mil imigrantes ilegais com registros criminais, com deportações pedidas ao nosso país, estão circulando livremente esta noite entre nossos pacíficos cidadãos”, contando ainda a história de uma jovem morta por um imigrante e cuja família ele conheceu.

O republicano criticou ainda os índices econômicos do governo atual e a política externa. “Não apenas nossos cidadãos sofrem desastres domésticos, mas eles têm enfrentado uma humilhação internacional após a outra”.

A essa altura, ele aproveitou para atacar diretamente sua provável rival nas eleições presidenciais, a democrata Hillary Clinton, ex-secretária de Estado da administração Obama.

“A América está menos segura, e o mundo está bem menos estável, do que quando Obama tomou a decisão de colocar nas mãos de Hillary Clinton a política externa… estou certo de que esta é uma decisão da qual ele verdadeiramente se arrepende. Os maus instintos e o mau julgamento dela, algo ressaltado por Bernie Sanders, são o que causaram os desastres que estão acontecendo hoje em dia. Vamos ver os registros. Em 2009, pré-Hillary, o Estado Islâmico nem existia… este é o legado de Hillary Clinton: morte, destruição, terrorismo e fraqueza”.

Ao destacar as principais diferenças em relação à sua oponente, ele voltou a dizer que irá colocar os EUA acima de todo o resto. “Nosso plano é colocar a América em primeiro. Americanismo e não Globalismo será nosso lema. Enquanto formos liderados por políticos que não colocam a América em primeiro, outros países não nos tratarão com respeito, o respeito que merecemos”.

“O povo americano virá em primeiro lugar novamente”, prosseguiu. “Meu plano irá começar com segurança em casa, o que significa bairros e fronteiras seguras e proteção contra o terrorismo. Não pode haver prosperidade sem lei e ordem”.

Sua voz
Ao dizer que não tem paciência para injustiças, tolerância para governos incompetentes e simpatia por líderes que falham com seus cidadãos, Trump afirmou: “sou sua voz”.

“Entrei para a política para que os poderosos não possam mais bater nas pessoas que não conseguem se defender”, disse. “Ninguém conhece o sistema melhor que eu, e é por isso que apenas eu posso consertá-lo”, acrescentou.

O candidato democrata derrotado nas primárias, Bernie Sanders, foi novamente mencionado ao Trump cortejar os eleitores do democrata, descontentes com a liderança de Hillary no Partido Democrata. “Vi em primeira mão que o sistema é manipulado contra nossos cidadãos, exatamente como foi manipulado contra Bernie Sanders. Ele nunca teve chance. Mas seus apoiadores irão se unir ao nosso movimento, porque iremos consertar seu principal problema, o comércio que nos arranca empregos e arranca nossa riqueza como país… milhões de democratas irão se unir ao nosso movimento, porque iremos consertar o sistema para que ele funcione de forma justa para todos os americanos”, afirmou.

Trump falou ainda sobre a preocupação de que todos sejam tratados com igualdade, mencionando regiões mais carentes e a comunidade LGBT. E, novamente, emendou a questão da segurança ao tema imigração, desta vez para falar de refugiados.

“Devemos suspender imediatamente a imigração de qualquer país que tenha sido comprometido pelo terrorismo, até o momento que fique provado que mecanismos de veto tenham sido adotados. Não os queremos em nosso país”, afirmou.

“Minha oponente pediu um aumento radical de 550% dos refugiados sírios sobre a já massiva onda de refugiados entrando em nosso país sob a liderança do presidente Obama. Ela propõe isso apesar do fato de não podermos checar quem eles são ou de onde vêm. Só quero admitir em nosso país indivíduos que irão apoiar nossos valores e amar nosso povo. Qualquer um que apoie a violência, ódio ou opressão não é bem-vindo em nosso país e nunca será”, disse.

O candidato falou ainda sobre o muro que prometeu construir na fronteira com o México logo no início de sua campanha, em 2015. “Para barrar a imigração ilegal, para barrar as gangues e a violência, e para barrar as drogas que se espalham em nossas comunidades”, justificou.

Trump prometeu que os resultados de suas políticas serão imediatos. “Em 21 de janeiro de 2017, um dia depois de eu assumir o cargo, os americanos irão finalmente acordar em um país onde as leis dos Estados Unidos serão cumpridas”.

Ao terminar seu discurso, Donald Trump invocou seu lema, mais uma vez provocando a adversária democrata.

“Minha oponente pede que seus apoiadores recitem um lema de três palavras, ‘estou com ela’. Escolho recitar um diferente. O meu diz: ‘estou com vocês, o povo americano’. Sou sua voz. Então, para cada pai que sonha por seu filho, e cada criança que sonha por seu futuro, eu digo estas palavras esta noite: estou com vocês, irei lutar por vocês, e irei vencer por vocês”, afirmou.

“A todos os americanos esta noite, em todas as nossas cidades, faço esta promessa: iremos tornar a América forte novamente. Iremos tornar a América orgulhosa novamente. Iremos tornar a América segura novamente. E iremos tornar a América grande novamente”, concluiu.

http://g1.globo.com/

Share This: