Vereadores irão apurar irregularidades no Hospital Geral de Guarulhos

A Câmara de Guarulhos aprovou na sessão desta terça-feira, 2, a primeira do ano, a abertura de uma Comissão Especial de Estudos (CEE) para apuração de possíveis irregularidades no Hospital Geral de Guarulhos (HGG). O vereador Elmer Japonês (PR) foi escolhido como presidente da CEE, que deverá ser instalada tão logo os partidos indiquem seus representantes. O requerimento propondo a apuração é assinado por 27 parlamentares, incluindo Gilvan Passos e Romildo Santos – ambos do PSDB. O Hospital Geral é administrado pelo Governo do Estado.

Além deste, os vereadores aprovaram apenas mais um requerimento pedindo informações sobre a poda de árvore na Rua Águas Vermelhas, no Jardim Santa Emília. O documento serviu de mote para o vereador Geraldo Celestino (PSDB) retomar o discurso sobre as mazelas do município, como o aumento de buracos nas vias públicas, falta de medicamentos na rede municipal, precariedade no atendimento nas unidades básicas de saúde entre outros problemas.

O tema abordado pelo tucano foi superado por uma questão administrativa do Poder Legislativo: a situação do elevador.  Em menos de dois meses, ocorreram dois acidentes com o elevador, que atende seis andares do prédio principal, incluindo dois pisos no subsolo. No primeiro acidente, quatro vereadores e duas funcionárias da Câmara vivenciaram a descida descontrolada do térreo até o subnível dois. Na segunda-feira (1º), o equipamento estava vazio quando despencou.

O vereador Luiz Matogrosso (PP), que esteve entre as vítimas no primeiro acidente, apresentou uma moção de repúdio contra a empresa ThyssenKrupp – fabricante do elevador. Com um tom mais indignado, Novinho Brasil (PTN), exigiu que o presidente da Câmara, prof. Jesus (PDT), lacre o elevador e exija a troca do equipamento. Vítima na primeira queda, Novinho desqualificou a capacidade técnica da empresa, que emitiu um laudo garantindo a segurança. “Em dezembro, eles estiveram aqui e falaram que não houve queda, que foi por excesso de peso. E agora? O que ocorreu já quer o elevador estava vazio?”, questionou.

O vereador Laércio Sandes (PMN) responsabilizou o proprietário do imóvel pelo sucateamento do equipamento. “Aqui é caso de polícia, de interdição”, disse, na tribuna. Vice-presidente da Câmara, Sandes defendeu a contratação de uma empresa especializada para fazer uma perícia no elevador.

TRIBUNA LIVRE

Três oradores ocuparam a primeira Tribuna Livre de 2016 pedindo a intervenção dos vereadores para impedir uma ação na qual a Imobiliária Continental e a Hidrovolt podem jogar na rua moradores de 4 mil residências no jardim Fortaleza. Na tribuna, Aurinete Santana de Abreu disse que os moradores não se recusam a pagar pelo terreno, desde que seja um preço justo. “A Continental quer nos tirar das casas para vendê-las para outras pessoas”, disse.

Alguns vereadores usaram a tribuna para demonstrar solidariedade aos moradores do Jardim Fortaleza, entre os quais Gilvan Passos (PSDB) e Guti (PSB). Os parlamentares não chegaram a votar os itens constantes da Ordem do Dia, que retornam à pauta na quinta-feira (4).

Fonte:http://www.clickguarulhos.com.br/

Share This: